Agricultura Biológica

Agricultura Biológica: Portugal supera Alemanha e Bélgica

Portugal está já ao nível da média europeia, mas com o número de lojas biológicas a aumentar, prevê-se ainda maior crescimento da produção. Áustria, Estónia e Suécia superam a média em larga escala.

Os produtos alimentares de origem biológica são cada vez mais procurados pelos consumidores, o que provocou um crescimento da agricultura biológica a nível Europeu.

A área orgânica atingiu 12,6 milhões de hectares na União Europeia em 2017, representando 7% na área total destinada à agricultura. Apesar de ser um valor relativamente baixo, houve um crescimento de 25% entre 2012 e 2017, segundo dados divulgados pelo Eurostat.

Ainda que a média europeia se situe em apenas 7%, há países que superam largamente esta média. A Áustria é o país que mais utiliza a agricultura biológica, totalizando um uso de 23,4%, seguido pela Estónia e pela Suécia com cerca de 19%. Itália e República Checa ultrapassam já os 14% e a Finlândia é o último país que se encontra ligeiramente acima dos 10%, num total de 11,4%.

As proporções mais baixas são encontradas em Malta, onde encontramos apenas 0,4% de área utilizada e na Irlanda e Roménia com 1,7% e 1,9%, respectivamente. A Bulgária e o Reino Unido também apresentam apenas 2,7% e 2,9% de área orgânica, respectivamente.

Portugal tem exactamente o mesmo número que a média europeia, 7%. Encontrando-se abaixo de Espanha e Dinamarca, mas superando também países como a Alemanha e a Bélgica.

Apesar do crescimento, os números poderiam ser ainda mais elevados, não fosse a certificação da cultura biológica necessária, por parte da União Europeia. Embora um produtor se queira tornar biológico, o processo de conversão demora geralmente dois a três anos, consoante o solo, que deve ser submetido a análises constantes para auferir se é apto para esta prática.

Em Portugal, à data de 2011, existiam 2.641 produtores agrícolas, divididos por diversas áreas como a vinha, o olival, plantas aromáticas e outros, segundo dados da Quercus. A agricultura orgânica implica que o produtor, quando interessar em vender colheitas, não use fertilizantes sintéticos, agro-tóxicos não-orgânicos ou produtos reguladores de crescimento. Este sistema de produção obriga ao uso de fertilizantes naturais, rotação de culturas, biodiversidade, compostagem e o controlo de insectos e doenças com recurso a produtos naturais.

Comentários